Recordações viram material para novo trabalho de Vik Muniz

Um dos mais criativos e renomados artistas plásticos brasileiros, Vik Muniz usa os mais surpreendentes materiais para compor suas fotos –de açúcar, passando por chocolate, até diamantes.

Nessa seu último trabalho, ele usa as fotos e cartões postais comprados pelo mundo para fazer sua arte . Mais uma vez, uma aula de criatividade e inovação.

vik-muniz-feeldesain11

vik-muniz-feeldesain10-630x400 vik-muniz-feeldesain08 vik-muniz-feeldesain07 vik-muniz-feeldesain06 vik-muniz-feeldesain05 vik-muniz-feeldesain04 vik-muniz-feeldesain03 vik-muniz-feeldesain02 vik-muniz-feeldesain01

Fonte:http://bit.ly/1mDTVHJ

Anúncios

Inspiração Design

O artista gaúcho Fernando Volken Togni elaborou uma série de desenhos na qual idealizou o que fazer em 24 horas nas cidades mais visitadas do mundo. As imagens da série “24 hours in…” ilustram os pontos turísticos de cada cidade, incluindo alguns clichês das regiões. Fonte: http://bit.ly/QLxd1u

inspiração design gaucho

Casa Mies van der Rohe

cl_20140323_135846
Casa Mies van der Rohe 
|
Casa projetada para o casal Lemke, hoje espaço destinado à arte moderna |
Arquiteto: Ludwig Mies van der Rohe |
Ano: 1932 – 1933 |

Em 1932, quando Mies van der Rohe era diretor da Bauhaus, foi convidado por Karl Lemke para projetar a nova residência do casal às margens do lago Obersee ao leste de Berlim. Karl Lemke, proprietário de uma gráfica que trabalhava para museus, instituições artísticas e artistas, optou por uma casa com um programa relativamente simples para os padrões burgueses da época: sala de estar, 1 quarto de dormir, uma sala para escritório, um quarto para sua esposa, 1 quarto de hóspedes, cozinha e área de serviço. Porém, Lemke, que se interessava por arte e arquitetura, desejava uma casa representativa onde pudesse receber seus clientes.
02_dashaus

Após vários croquis, Mies cria uma casa em 2 Ls que se encaixam. O quarto de dormir e a sala de estar estão separados por um amplo hall, cômodo central e expressivo da casa. Sua vedação para o exterior em esquadrias de vidro do chão ao teto, sugere a extensão do interior da casa para o jardim e vice e versa. O recuo desta parede de vidro em relação ao quarto de dormir reforça essa sensação de que o exterior se expande para o interior do hall. Esta pequena casa expõe a teoria de Mies van der Rohe da maximização da qualidade através da simplicidade. Esta foi a última casa construída por ele antes que, em 1938, emigrasse para o Estados Unidos. Mies desenhou também juntamente com Lilly Reich os móveis para o casal Lemke, que estão expostos no Kunstgewerbemuseum (museu de artes manuais) em Berlim

O casal Lemke viveu nesta casa até o ano de 1945, quando o exército Russo a requereu, pois essa região havia sido declarada como área de acesso restrito. A casa Lemke seria então usada como garagem e depósito. Dos anos 60 até a queda do muro em 89 ficou sob o domínio do serviço de segurança da Alemanha Oriental e servia como depósito de roupas, abrigo para funcionários ou cozinha. Neste período foram feitas muitas reformas que modificaram e danificaram o projeto original drasticamente. Em 1977 a casa Lemke entra para a lista de patrimônio histórico do bairro, mas apenas em 2000 – 2002 que, sendo adquirida pelo bairro Hohenschönhausen, foi restaurada e aberta à visitação pública como um espaço destinado à arte moderna.

Endereço
Oberseestraße 60
13053 Berlin
Tel: 0049 (0)30 – 970 006 18 |

Como chegar
Tram M5 (Bonde M5)  – parada Oberseestraße,
Tram M27  (Bonde M27)  – parada Buschallee/Suermondtstraße

Horário de funcionamento de terça a domingo: 11:00 às 17:00 horas

Entrada franca

Link
Casa Mies van der Rohe

Fonte
http://tinyurl.com/odvet9a

Uma casa de 31 containers

À primeira vista, parece uma casa normal. Muito bonita, inclusive. Mas, em poucos segundos, você observa uma característica diferente na arquitetura.  Acredite – essa casa foi construída a partir de 31 containers.

Todd Miller, da firma de arquitetura ZeilgerBuild, projetou três andares, 6.000 metros quadrados e um quintal com piscina. Tanto o interior como o exterior, como dá pra perceber nas imagens, são uma homenagem à natureza industrial dos materiais do edifício.

A fachada apresenta uma combinação de paredes de aço ondulado e arte de rua. O grafite abrange quase todo o lado da casa, como algo que você veria em um recipiente se estivesse atracado em um porto. Um ótimo trabalho de equilibrar elementos industriais da casa com madeiras quentes e reconfortantes.

Confira nas imagens:

shipping_container_home1 shipping_container_home2 shipping_container_home3 shipping_container_home4 shipping_container_home5 shipping_container_home6 shipping_container_home7 shipping_container_home8 shipping_container_home9 shipping_container_home10 shipping_container_home11-1 shipping_container_home102 shippingcontainershome13

Todas as fotos © Todd Miller

Telhado Verde: Arquitetura em Prol do Meio Ambiente

O telhado verde é uma técnica usada na arquitetura sustentável que, através da impermeabilização e drenagem da cobertura dos edifícios, possibilita jardins suspensos nos centros urbanos. Ganhou uma crucial importância já que traz diversos benefícios, como:

– Criação de novas áreas verdes, principalmente em regiões de alta urbanização;
– Diminuição da poluição ambiental;
– Ampliação do conforto acústico no edifício que recebe o telhado verde;
– Melhorias nas condições térmicas internas do edifício;
– Aumento da umidade relativa do ar nas áreas próximas ao telhado verde;
– Melhora o aspecto visual, através do paisagismo, da edificação.

Desvantagens do telhado verde:

– Custo de implantação do sistema e sua devida manutenção;
– Caso o sistema não seja aplicado de forma correta, pode gerar infiltração de água e umidade dentro do edifício.

telhado-verde-varios

fonte: http://tinyurl.com/baf2ldj / http://tinyurl.com/of3zn9w